quinta-feira, 13 de setembro de 2007

VERGONHA DE SER BRASILEIRO (Samuel Rangel)

Em Curitiba 13 graus.

O dia amanheceu estranho. Um silêncio pesava sobre as cabeças rápidas desse povo Curitibano.
Não se pode ouvir um grito. Não se ouvia nem mesmo a intenção de reunir pessoas. A sensação era muito ruim. Tinha-se a impressão de que ele fora assaltado, sem reação, e enquanto o bandido corria, ele apenas fazia apontamentos do seu prejuízo. Aceitou sua pouca sorte.

Em Curitiba 14 Graus.

Dia 13 de setembro de 2007. Ontem, levou-se a termo o atestado de nossa burrice. Ontem, a portas fechadas, 40 senadores nos chamaram de idiotas. Ontem, ainda houve um que disse que a decisão no processo de Calheiros era a vitória da democracia. Aceitamos nossa pouca sorte.

Em Curitiba 18 graus.

E de nada adiantava o dia avançar, pois quanto mais o tempo passa, parece que mais o povo supera. A indignação muda vai sumindo em meio às tarefas do dia. O homem no seu trabalho não tem tempo de reagir. Apenas comenta com um sorriso amarelo a decisão dos seus representantes. E sorrindo aceitou a sua pouca sorte.

Em Curitiba 25 graus.

A dona de casa tempera o feijão e o arroz, e nem se da conta da falta do Bife. Uma televisão ligada em um cômodo da casa grita sozinha, como louca, sem merecer a atenção de ninguém. Como o seu feijão vai desmanchando, desmanchou-se o orgulho do povo que anda afoito pela rua. Não temos tempo de gritar. Não temos tempo de se indignar. Aceita a sua pouca sorte
Em Curitiba 0 grau.

Nada. Nenhuma sorte.

Um silêncio sórdido de quem não tem mais orgulho. Uma vergonha sem cor, sem voz, e sem testemunha. Quem somos nós que não reagimos, e nem falamos? Olhamos a política e suas paspalhices como se acontecessem na casa ao lado.

A notícias não são boas. As paspalhices aconteceram bem aqui, em nossa casa, no meio de nossa gente, com aqueles que se dizem representantes do povo.

E nós que só sentimos é vergonha de ver nossas camisas amarelas serem manchadas quando perdemos para a Argentina no futebol. Se tais absurdos acontecessem na vizinha Argentina, por certo o sangue correntino haveria de incitar uma reação.

Nós, os brasileiro, apenas assistimos os fatos e aceitamos nossa nenhuma sorte.

O que podemos fazer?

Fazer não é lá nosso grande talento. Quem sabe uma sequela da ditadura militar. Como se uma voz sussurrasse em nossos ouvidos: Aceite. Aceite Aceite!!!

E aceitamos.

Mensalão e Marcos Valério? Aceitamos.
Narcotráfico e Máfia dos Jogos? Aceitamos.
Impostos em 43 porcento, e 33 porcento de malversação do dinheiro público? Aceitamos.
Polícia Corrupta e Eleições da Falsa Democracia? Aceitamos.
Gente morrendo nos hospitais, e os remédios mais caros do mundo? Aceitamos.
Favelas podres e gente sendo tratada como animal? Aceitamos.

Aceitamos a vergonha. Nos dão as vestes mais ridículas da insensatez, e as vestimos sem pompa.

Nos dão a bebida amarga da desilusão, e a tomamos em um só gole. Nos servem alimentos podres de esperança perdida, e mastigamos. Aceitando nossa nenhuma sorte.

Será que não é conosco?
Como você se sente?
Como se sente seu filho?
E seu pai, que tantos valores tentou lhe passar, como se sente?

Apenas posso dizer que ontem vi Calheiros sorrir, e sem querer fazer nenhuma intriga, parece que era de você.

Um comentário:

Elisa Maria disse...

Eu me sinto uma palhaça! Um nada!
Quando o telejornal anunciou o resultado da votação, eu senti meu sangue ferver. Mas o pior mesmo foi ver a reação do meu pai, eu queria fazer alguma coisa por ele, eu percebi que pela primeira vez em anos ele achou que a justiça seria feita, mesmo que tardia e não nas devidas proporções. A expressão de incredulidade, de desanimo e de repulsa que ele fez, partiu meu coração.
Um homem que criou os 5 filhos, sendo um adotivo, com todos os devidos valores morais, cívicos e religiosos. Ali.. completamente descrente.... com o perdão da palavra, foi foda!
E eu pergunto... por onde andam aqueles famosos caras pintadas que foram pedir o impeachemant do Collor? Cadê??
Eu acho que o caso atual é tão grave quanto o caso passado!
Até quando seremos palhaços desses governantes? O circo está armado em plena Brasília!
Bin Laden... lá também tem duas torres gêmeas!
Hora de abrirmos os olhos!
Como diria Bóris Casoy, isto é uma vergonha.... e digo mais... uma vergonha causada por um bando de sem vergonhas!!!
Cansei!!!!!